quarta-feira, 2 de setembro de 2009

JARUPARI

No tempo das Amazonas existia uma das lcamiabas que se apaixonou perdidamente por um valente guerreiro. Era lei em sua taba que, depois de um efusivo conúbio de amor, a mulher abandonasse para sempre o amante, depois de lhe oferecer a pedra sagrada - o Muiraquitã. Os dois amorosos foram obrigados a se separar e sofreram tanto que Iurupari - Deus do Sonho -, compadecido, resolveu abrandar a sua mágoa. E, à noite, durante o sono, entretecia ele redes nupciais das mais lindas penas, unindo-as e embalando-as espiritualmente. Um dia, o guerreiro, cada vez mais apaixonado por aquela que só via em sonho, aproximou-se da tribo das Amazonas. Contam, então, que vagando em procura da sua amada, se deixou aprisionar par uma audaz tapiina. Chegando à maloca, as Amazonas, irritadas pela imprevista incursão do guerreiro, resolveram condená-lo ao sacrifício. Ao chegar a noite, depois que se fez o silêncio na taba, para salvar-lhe a vida, a amante veio pedir que fugisse. Mas ele a nada cedeu e disse: - Prefiro morrer a manchar meu nome de guerreiro altivo, desassombrado da própria morte. Então, ela, vendo que as suas súplicas não eram atendidas, invocou Iurupari e, cerrando os olhos, adormeceu ao lado do seu prisioneiro. No outro dia, ao alvorecer, encontraram os dois amantes mortos na rede. - Foi Iurupari! Foi Iurupari! - prorromperam as Icamiabas, assustadas. E, batendo fortes palmas com as mãos e ressoando os maracás, num alarido infernal, procuraram afastar de seus olhos a visão chamejante de Iurupari, que fugia com a luz da manhã.http://jornale.com.br/wicca/2009/04/28/morte-de-ualri/

Um comentário:

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Carlos, gostei de conhecer o seu blog e suas lendas. Voltarei.
Abração

Arara Azul