quarta-feira, 4 de julho de 2012

A lenda do negro d`água


O negro d´água faz parte da vida de todos os pescadores do Centro Oeste.Crendo ou não,todos eles já experimentaram um sustozinho,.certa vez que um boto apareceu com a cabeça de porco a soprar bem pertinho de onde estava a sua vara de anzol.Em certa pescaria no curso baixo do rio vermelho,uma vez,acompanhou-nos um `chauffer´chamado joão,de sobressalência,para ajudar-nos a remendar câmara de ar no caminho,ou consertar as avarias dos pontilhões.Sempre ia por conta de serviços prováveis,sem pagar a contribuição para a cobertura das despesas.Era,pois,um companheiro para tudo.Uma noite já estávamos em boas redes,contando anedotas uns para os outros,e esperando chegar os últimos companheiros que subiram e desceram o rio,para dormirmos sossegados,escutamos um ruido do lado do rio,como se animal espantado tivesse corrido para nosso lado,derrubando mato.Era o joão chegou sem poder falar,e horrorizado com o que vira naquele poço escuro que fica na curva do rio.Todos nos levantamos para socorre-lo.Que foi isso rapaz,perguntamos a um só tempo.Foi o negro d´agua que brotou mesmo em baixo do meu pesqueiro,fazendo um rebojo e um barulhão,antes de erguer a metade do corpo fora d"água. E dizendo isto olhava para todos os lados,assombrado.Você viu negro d'água coisa nenhuma,o que viu foi o boto,que nós também vimos hoje à tarde,na curva do poço da Piratininga.Os bolos do Araguaia sobem até aqui e gostam de se mostrar para os pescadores.E para provar que era isso mesmo,o nosso comparsa se meteu pelo caminho do poço indicado.Meia hora depois voltou confirmando que era boto mesmo,e se quiséssemos ver iramos todos apreciar as evoluções que eles fazem quando vêem o o homem. Alguém pediu a palavra para contar um caso que havia acontecido há tempos,e dava o seu testemunho do homem de fé,Qualidade que ninguém lhe negava.Todos aproximaram-se para ouvir a narrativa.Tratava-se do tenente Pacheco,um excelente companheiro de pescaria e de caçada,profundo conhecedor daquela região e também do Estado todo.-Uma noite,começou o oficial,estávamos pescando no rio Tapirapés,tributário do Araguaia,muito piscoso e com excelente caça;por essa razão prefiro para as excursões dos que vão à ilha,um enorme rebôjo.Logo a seguir algo emergiu espadanando áqua,e fazendo um estranho barulho.Julguei que se tratasse de enorme sucuri,e pus de jeito minha espingarda de caça.Há naquela região,muitas lagoas que são viveiros de sucuris.São elas que formam a cabeceira do rio.Não atirei no rumo;nunca fiz isso.Meti a lanterna elétrica em cima do rebôjo e avistei uma cara horrorosa,meio macaco meio homem,cabelos lisos e bem pretos,cobrindo todo o rosto.Os dentes eram alvos e pontiagudos,rindo para mim com ar de mofa.Os olhos refugindo pelo efeito da luz do farolete,eram duas tochas acesas.Nunca mais vi coisa igual.O indio Carajá que estava comigo já havia corrido espavorido.Gritou em português que não atirasse nele que ganharia maldição para o resto da minha vida.Quando o bicho mergulhou,aproveitamos para dar o fora,e o índio pediu que fossemos embora,a seguir,porque não haveria mais um único peixe para nós.Este é o sapo grande que governa o rio e aparece para quem fala mal do Araguaia.Não fizemos objeção e até hoje nos recordamos daqueles olhos que pareciam farol de automóvel aumentados pela luz da lanterna.Cada um então contou um caso de negro d"agua e joão nunca quis saber de participar de pescarias,apesar de convidado com insistência,porque no pior servia para ajudar a empurrar o fordinho e remendar câmaras de ar.

Fonte:Estória s Lendas de Goiás e Mato Grosso.Seleção de Regina Larcerda.Desenhos de J.Lanzelotti.Ed.Literat.1962
Imagens sohistoria.com.br



quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A VITÓRIA RÉGIA






Uma das mais lindas plantas aquáticas do mundo, a Vitória Régia (Euryle Amazônica) tem a folha de formato circular e mede até 1,80m de diâmetro. Parecida a uma bandeja, é bastante resistente e pode agüentar um peso de até 45 quilos. De cor verde na parte virada para cima e interna, e purpúrea na sua borda externa e parte inferior, a Vitória Régia vive em lagos, lagoas e rios de águas tranqüilas. Sua flor de cor branca com o centro rosado, alcança até 30 cm.
A Vitória Régia, com toda a sua beleza e exuberância chama a atenção de quantos a vêem, que ficam verdadeiramente extasiados. E tal aconteceu com o botânico inglês Lindlev que, ao contemplá-la, resolveu homenagear a rainha Vitória, da Inglaterra, e deu à planta o nome da soberana inglesa.
Mas, conforme relata Anísio Melo, nossos índios também não ficaram indiferentes à sua beleza e contam uma linda história para justificar-lhe a origem.
As lagoas e os lagos amazônicos são espelhos naturais da vaidosa Iaci, a lua. As cunhãs (índias) e as caboclas ao vê-la refletida sentiam toda a inspiração para o amor. Ficavam então no alto das colinas esperando pelo aparecimento da lua, e que com o contato de sua luz lhes chegasse o amor redentor e elas pudessem subir ao céu transformadas em estrelas

Um belo dia... uma linda cabocla, tomada pelo amor, resolveu que era chegado o momento de transformar-se em estrela. E com este intuito subiu à mais alta colina, esperando poder tocar a lua Iaci e assim concretizar o seu desejo. Mas... ao chegar ao cimo da colina viu a lua Iaci refletida na grande lagoa e pensou que estava a banhar-se... Na ânsia de tocar Iaci para realizar seu sonho de amor, a bela cabocla lançou-se às águas da lagoa... E ao que pensou tocá-la, afundou sumindo nas águas...
E a lua Iaci, condoída com o infortúnio de tão bela jovem e não podendo satisfazer seu desejo de levá-la para o céu em forma de estrela, transformou-a na bela estrela das águas, a linda planta aquática que é a Vitória Régia... cuja beleza e perfume são inconfundíveis.
Dizem que o local onde o fato aconteceu é o lago Espelho da Lua, situado no município de Faro, na região do baixo amazonas paraense...
Foto fonte http://flores.culturamix.com/flores/vitoria-regia

.

sábado, 24 de outubro de 2009

O que sera das proximas gerações.?

http://www.greenpeace.org/brasil/amazonia/


O que fazer para salvar a floresta? Brasil precisa adotar imediatamente um programa nacional de combate ao desmatamento na Amazônia, com apoio financeiro da comunidade internacional. O programa criaria uma força-tarefa interministerial, com a participação de entidades representativas da sociedade civil e dos setores produtivos, para deter o avanço do desmatamento e reduzi-lo a zero. Entre as medidas necessárias para impedir uma maior destruição da Amazônia, destacamos: • A implementação dos compromissos nacionais e internacionais assumidos em 1992 durante a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB); • A destinação das áreas griladas na região amazônica (que, de acordo com dados das CPI da Grilagem chegam a 100 milhões de hectares, ou 20% da Amazônia Legal) para a criação de áreas de proteção como parques e reservas extrativistas de uso sustentável; • A implantação das unidades de conservação já aprovadas e que até hoje não saíram do papel; • Redirecionamento do programa nacional de reforma agrária para áreas já desmatadas; • Fortalecimento das instituições encarregadas da proteção ambiental como Ibama e secretarias estaduais de Meio Ambiente; • Adoção de mecanismos fiscais que punam a extração ilegal de madeira e beneficiem exclusivamente a produção de madeira através de manejo florestal sustentável e certificado pelo FSC. • Fortalecimento institucional e financeiro a projetos de manejo florestal comunitário; • Expansão dos programas governamentais de combate às queimadas; • Demarcação de todas as terras indígenas. Conter a destruição das florestas se tornou uma prioridade mundial, e não apenas um problema brasileiro. Restam hoje, em todo o planeta, apenas 22% da cobertura florestal original. A Europa Ocidental já perdeu 99,7% de suas florestas primárias; a Ásia, 94%; África, 92%; Oceania, 78%; América do Norte, 66%; e América do Sul, 54%. No caso específico da Amazônia brasileira, o desmatamento que era de 1% até 1970 pulou para quase 15% em 1999 – em quase 30 anos, uma área equivalente à França foi desmatada na região. É hora de dar um basta nisso.Publicação para  blogactionday

sábado, 12 de setembro de 2009

Lenda da Piripirioca

                                                                                                                                                                 A tribo Manau vivia num lugar muito bonito da floresta amazônica. A tribo era conhecida pela beleza das mulheres indígenas. Um dia um índio estranho estava pescando no lago próximo a tribo. Era Piripari que pescava pirás. Quando o bando de cunhãs da tribo Manau o avistou, elas se aproximaram para tentar conhecê-lo melhor. Uma delas falou: - De que terra vens, ó moço bonito? Tu és lindo feito a manhã. Piripari não as olhou, mas uma das índias botou a mão no ombro dele. Mal a mão tocou o moço, ficou toda perfumada. As cunhãs ficaram maravilhadas. - Moço, conta para nós qual é o teu segredo. Se não contares, o levaremos preso para nossa taba. Mas, ele apenas gritou: - Meu nome é Piripari! Ao gritar, ele pulou rapidamente no rio, e na linha de pescar levava três cunhãs. As outras moças pediam para ele não ir embora. - Piripari, não vás, somos amigas e te queremos bem. Elas esperaram por muito tempo que ele voltasse. Sentaram-se na praia e esperaram longamente pelo moço. No entanto, Piripari não voltou. Apenas o seu cheiro ficara no vento, um cheiro embriagador que envolvia toda a floresta. Lá longe, Piripari libertou as moças presas à linha de pesca. Ele disse a elas: - Não queiram pensar no meu amor. Ainda não é meu tempo de amar, não me esperem mais, cunhãs Manaus. Apaixonadas porém, as cunhãs permaneceram inconsoláveis na espera. Depois de muito tempo, vendo a tristeza das cunhãs, apareceu na tribo um jovem feiticeiro chamado Supi. Querendo ajudar as moças, ele disse: - Se o cabelo de vocês tocar Piripari, ele ficará preso. Quando a lua cheia vier, vão até a praia onde ele costuma estar e cada uma leve na mão um fio de cabelo para amarrá-lo. No dia marcado, as cunhãs foram para o rio. Ela viram Supi que estava pescando. Supi puxava a linha e tirou um peixe. Ele enterrou o peixe na areia. A lua subia bem alto. Elas viram que o peixe virava Piripiri. As cunhãs, devagarinho, com os fios de seus cabelos amarraram Piripari. Elas vibravam de contentes. Enquanto elas o amarravam ele olhava para o céu e cantava uma linda cantiga, mas ele não se mexia. Elas então queixaram-se a Supi: - Nós o prendemos, mas ele nem se deu conta. O feiticeiro tratou de tranquilizá-las: - Enquanto ele está cantando a alma dele passeia pelo céu, entre as estrelas. Não toquem no corpo dele, do contrário ele desperta e a alma ficará no céu. Logo que ele despertar, podem levá-lo para casa. No entanto, Piripari demorava a acordar. As cunhãs começaram a perder a paciência e diziam: _ Acorda, Piripari. Puraê, uma das cunhãs, chegou a tocar no ombro num gesto muito impaciente. Neste momento, Piripari se calou e a lua tornou-se escura. Soprou forte um vento frio e as cunhãs caíram em sono profundo. Quando elas acordaram, no mesmo local onde haviam deixado o corpo de Piripari estava uma pequena planta, uma plantinha apenas, mas de um perfume encantador. Neste instante, Supi se aproximou: _ Me escutem, cunhãs Manaus. Quem quiser cheiro de encanto, use no banho esta planta que desde hoje passará a se chamar piripirioca, a planta que nasceu de piripiri. E Puraê, a cunhã mais desobediente, de castigo, caiu nos braços de um sapo cururu gigante. As outras cunhãs, entristecidas, voltaram para a taba. Nunca mais Piripari foi visto à beira do rio ou cantando uma cantiga. Até hoje as caboclas da Amazônia usam a planta cheirosa para conquistar outros moços.

Desenho estraido do blog http://blogandomanaus.spaceblog.com.br/r68337/Lendas-Amazonicas/3/

domingo, 6 de setembro de 2009

MACUNAIMA

                                                                                                                                                               Nas terras de Roraima havia uma montanha muito alta onde um lago cristalino era expectador do triste amor entre o Sol e a Lua. Por motivos óbvios, nunca os dois apaixonados conseguiam se encontrar para vivenciar aquele amor. Quando o Sol subia no horizonte, a lua já descia para se pôr. E vice-versa. Por milhões e milhões de anos foi assim. Até que um dia, a natureza preparou um eclipse para que os dois se encontrassem finalmente. O plano deu certo. A Lua e o Sol se cruzaram no céu. As franjas de luz do sol ao redor da lua se espelharam nas águas do lago cristalino da montanha e fecundaram suas águas fazendo nascer Macunaíma, o alegre curumim do Monte Roraima.
Com o passar do tempo, Macunaíma cresceu e se transformou num guerreiro entre os índios Macuxi. Bem próximo do Monte Roraima havia uma árvore chamada de "Árvore de Todos os Frutos" porque dela brotavam ao mesmo tempo bananas, abacaxis, tucumãs, açaís e todas as outras deliciosas frutas que existem. Apenas Macunaíma tinha autoridade para colher as frutas e dividi-las entre os seus de forma igualitária.
Mas nem tudo poderia ser tão perfeito. Passadas algumas luas, a ambição e a inveja tomariam conta de alguns corações na tribo. Alguns índios mais afoitos subiram na árvore, derrubaram-lhe todos os frutos e quebraram vários galhos para plantar e fazer nascer mais árvores iguais àquela.
A grande "Árvore de Todos os Frutos" morreu e Macunaíma teve de castigar os culpados. O herói lançou fogo sobre toda a floresta e fez com que as árvores virassem pedra. A tribo entrou em caos e seus habitantes tiveram que fugir. Conta-se que, até hoje, o espírito de Macunaíma vive no Monte Roraima a chorar pela morte da "Árvore de todos os frutos".,


Desenho estraido do blog  http://bethccruz.blogspot.com/2009/03/lendas-da-amazonia.html

sábado, 5 de setembro de 2009

A lenda do pirarucu


                                                                                                                                                                 O pirarucu é um peixe da Amazônia, cujo comprimento pode chegar até 2 metros. Suas escamas são grandes e rígidas o suficiente para serem usadas como lixas de unha, ou como artesanato ou simplesmente vendidas como souvenirs. A carne do Pirarucu é suave e usada em pratos típicos da nossa região. Pode também ser preparada de outras maneiras, frequentemente salgada e exposta ao sol para secar. Se fresca ou seca, a carne do pirarucu é sempre uma delícia em qualquer receita. Pirarucu era um índio que pertencia a tribo dos Uaiás que habitava as planícies de Lábrea no sudoeste da Amazonia.
Ele era um bravo guerreiro mas tinha um coração perverso, mesmo sendo filho de Pindarô, um homem de bom coração e também chefe da tribo. Pirarucu era cheio de vaidades, egoísmo e excessivamente orgulhoso de seu poder
.
Um dia, enquanto seu pai fazia uma visita amigável a tribos vizinhas, Pirarucu se aproveitou da ocasião para tomar como refém índios da aldeia e executá-los sem nenhuma motivo. Pirarucu também adorava criticar os deuses. Tupã, o deus dos deuses, observou Pirarucu por um longo tempo, até que cansado daquele comportamento, decidiu punir Pirarucu. Tupã chamou Polo e ordenou que ele espalhase seu mais poderoso relâmpago na área inteira. Ele também chamou Iururaruaçú, a deusa das torrentes, e ordenou que ela provocasse as mais fortes torrentes de chuva sobre Pirarucú, que estava pescando com outros índios as margens do rio Tocantins, não muito longe da aldeia.
O fogo de Tupã foi visto por toda a floresta. Quando Pirarucu percebeu as ondas furiosas do rio e ouviu a voz enraivecida de Tupã, ele somente as ignorou com uma risada e palavras de desprezo. Então Tupã enviou Xandoré, o demônio que odeia os homens, para atirar relâmpagos e trovões sobre Pirarucu, enchendo o ar de luz. Pirarucu tentou escapar, mas enquanto ele corria por entre os galhos das árvores, um relâmpago fulminante enviado por Xandoré acertou o coracão do guerreiro que mesmo assim ainda se recusou a pedir perdão.Todos aqueles que se encontravam com Pirarucu correram para a selva terrivelmente assustados, enquanto o corpo de Pirarucu, ainda vivo, foi levado para as profundezas do rio Tocantins e transformado em um gigante e escuro peixe. Pirarucu desapareceu nas águas e nunca mais retornou, mas por um longo tempo foi o terror da região.


Desenho extraido 11http://planetaterra2010.wordpress.com/page/33/

Arara Azul